Conforme esclarecido no Item Sucessão Empresarial, a Blindagem / Proteção / Sucessão Patrimonial são bem semelhantes.

Através de um Seguro de Vida Resgatável, é possível adquirir liquidez para transmissão do patrimônio com grande liquidez para a família.

 

Nesse sentido, os Seguros de Vida Resgatáveis oferecem diversos benefícios, como por exemplo:

 

Liquidez - não participam de inventário e não se aplicam à “lei da legítima” (art. 794 do CPC)*, pois, sendo um serviço contratado, é como se o contratante estivesse usando seu dinheiro naturalmente, sem fins de doação. Dessa forma, é possível deixar como beneficiário qualquer pessoa que queira indicar.

Havendo sinistro, o capital contratado corrigido pela inflação (IPCA) é incontestável, já que a análise médica sempre será feita antes da contratação do seguro e, por isso, transferido rapidamente ao(s) beneficiário(s) indicados na apólice.

 

Nesse caso, não há incidência de IR** nem ITCMD*** (lei nº 7.713, de 22/12/1988, Art. 6, alínea XIII), por se tratar de uma indenização de seguro.

Quando ocorrer o falecimento do detentor da apólice, a(s) pessoa(as) indicada (s) como Beneficiário(s) estará(ão) comprometida à resolver todas as questões legais da Sucessão Patrimonial desejada, realizando as transferências dos bens, da forma previstas nas leis vigentes e ou testamentos previamente realizados, quitando assim com os valores recebidos da indenização, as taxas de ITCMD, cartorárias, etc.

É bastante comum no Brasil, as pessoas adquirirem muitos bens e se esquecerem de acumular liquidez imediata (dinheiro disponível) para as custas de transferências destes bens, onde atualmente já existe o jargão "Família Rica Pobre" onde a família possui inúmeros bens, no entanto, não conseguem vendê-los por não terem liquidez imediata, sendo que estes bens, quando mal administrados ou na falta do conhecedor do negócio, como por exemplo, uma fazenda, a mesma passa a gerar mais despesas do que receita, dilapidando assim o patrimônio da família.

 

Outro exemplo a ser dado é de a família ter que recorrer a capital de terceiros (Bancos) para realizar as transferências, que após cerca de 6 meses a 01 ano com este capital tomado, irá corroer grande parte do capital levantado na venda dos bens.

Como é de conhecimento de todos, vender bens à inventariar é infração à lei, passível inclusive de prisão.

   * CPC – Código Processo Civil

  ** IR – Imposto de Renda

*** ITCMD - Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação

  • Instagram
  • Facebook Social Icon

Todos direitos Reservados. IAGF Inovações em Administração, Gestão e Finanças -  © 2020